Senac
 
Fecomercio
Rio de Janeiro

Notícias

Sesc RJ vence o Osasco e segue invicto na Superliga feminina de vôlei

Equipe carioca oscilou durante confronto, mas garantiu triunfo com tie break avassalador, fora de casa


publicado em 02-12-19

imprimir

Um confronto tradicional como Sesc RJ e Osasco Audax quase sempre traz muita emoção aos fãs do voleibol. E nesta sexta-feira (29.11), quando as equipes estiveram frente a frente pela sexta rodada da Superliga feminina de vôlei 19/20, em Osasco, não foi diferente. Após um confronto bem equilibrado, o time comandado pelo técnico Bernardinho mostrou sua força e fez um tie break impecável, garantindo o triunfo por 3-2 (25-23, 21-25, 25-22, 21-25 e 15-5). Com o resultado, o Sesc RJ seguiu invicto, ainda na primeira posição da competição, com 17 pontos.

Maior pontuadora do confronto, com 22 acertos, e eleita a melhor em quadra, Tandara comemorou muito a vitória desta sexta. Para ela, no momento decisivo do jogo, o saque contou muito e, por isso, a diferença foi enorme no tie break.

“Para mim a diferença no tie break foi o saque. Todo mundo que passou por ali fez uma sequência legal. Teve a minha, depois veio a Amandinha e fez mais três. Sem dúvida, a diferença foi o saque. E não errar também, não é?! Porque colocamos sempre a pressão para o lado de lá, fazendo com que elas jogassem e elas se desesperaram um pouco. Era isso que queríamos mesmo fazer, viemos, a cada dia, procurando aperfeiçoar nosso jogo, treinando muito e todo mundo está de parabéns pela vitória”, analisou Tandara.

Responsável por colocar a última bola no chão de Osasco, num ataque pela entrada de rede, a capitã Amanda enalteceu o time adversário e lembrou que em momento nenhum o Sesc RJ deixou de jogar como uma verdadeira equipe.

“Sabíamos que iria ser duro, u8m jogo difícil, como sempre é Sesc RJ e Osasco. Acredito que poderíamos ter tido mais consistência ao longo da partida, mas conseguimos mostrar lucidez no quinto set. Mas o importante mesmo foi que em momento nenhum, mesmo com os altos e baixos dentro de quadra, deixamos de nos ajudar e de nos apoiar. Todas nos empenhamos muito e isso é excelente. Osasco possui uma equipe muito experiente, com jogadoras de grande rodagem, internacional, inclusive, e sabemos o quanto foi importante sair daqui com uma vitória. Agora é voltar pra casa, descansar um pouco e já trabalhar pensando no próximo compromisso”, encerrou Amanda.

O Sesc RJ terá pela frente outro adversário paulista nesta Superliga. E também fora de casa. A equipe de Bernardinho vai até São Caetano encarar as donas da casa na próxima terça-feira (03.12), às 21h30. A partida será adiantada da 10ª rodada da competição e terá transmissão do Canal Vôlei Brasil, pela internet.

O jogo
A partida não começou bem para o Sesc RJ. Com Roberta no saque, Osasco abriu 3-0 e seguiu abrindo vantagem. Milka foi bloqueada, o placar mostrava 10-5 para as donas da casa e Bernardinho parou o jogo. A bronca do treinador do time carioca surtiu efeito e logo em seguida a recuperação começou. Drussyla, em um ace, fez 9-12 e a virada veio apenas no 17-16, quando Ellen invadiu e cedeu ponto para o Sesc RJ. A partir daí, domínio do time visitante. Amanda fez um belo ponto pela entrada de rede, depois de um rali de 40 segundos (22-19) e Milka fechou numa chutada: 25-23.

Só que Osasco não se entregou. Começou bem novamente a segunda parcial e abrindo 3-0 com um bloqueio de Bjelica. Em outro block, de Bia em Tandara, já tinha 7-4 no placar. Bernardinho parou o jogo quando Jaqueline parou o ataque do Sesc RJ em mais um bloqueio (17-10), mas não adiantou: 25-21 para Osasco.

Foi a vez do Sesc RJ mostrar cabeça fria. No terceiro set, as visitantes abriram 4-1 em um erro de Ellen, mas viram Osasco empatar em 7-7 com Jaqueline. A partida tornou-se equilibrada, com as equipes trocando pontos até Drussyla, em um ace, deixar o Sesc RJ com vantagem de dois pontos: 18-16. O time paulista voltou a empatar em 19-19, mas parou sua reação por aí: 25-22 em um bloqueio de Juciely.

A quarta parcial seguiu a mesma tendência da anterior. As duas equipes mostravam um grande equilíbrio, e quando abriam vantagem não conseguiam sustentar. O Sesc RJ chegou a ter a oportunidade de deslanchar e fechar o jogo, quando Fabíola bloqueou Ellen: 19-18. Mas uma sequência de erros das cariocas deu uma boa vantagem no momento decisivo para Osasco, que não perdoou: 25-21 numa china de Bia.

Veio o tie break e com ele uma Juciely avassaladora. Em duas chinas e uma bola atacada da entrada de rede, a central já tinha deixado o Sesc RJ com uma vantagem de 4-1 no placar nos primeiros minutos da parcial. Luizomar de Moura pediu tempo, tentou colocar suas atletas no jogo, mas não conseguiu. Juciely parou Mara no bloqueio e fez 6-1. Estava liquidado. Com muitos erros, as donas da casa não conseguiram jogar e Amanda fechou o jogo num ataque pela entrada de rede: 15-5.

Fotos: João Pires/FotoJump

Mesa Brasil Sesc RJ

Os jogos das equipes feminina e masculina de vôlei do Sesc RJ disputados no Rio de Janeiro têm como entrada 2kg de alimentos não perecíveis, destinados ao ‘Mesa Brasil Sesc RJ’, programa social do Sesc RJ que visa a minimizar os efeitos da fome e do desperdício. Criado em 2000, o Mesa Brasil Sesc, no estado do Rio de Janeiro, recolhe doações de produtos alimentícios em condições de consumo, ainda que eventualmente com baixo valor comercial, e os distribui a instituições de assistência social previamente cadastradas, como asilos, creches, orfanatos, entre outras instituições. O programa atende no estado do Rio de Janeiro a mais de 850 instituições sociais, tendo uma abrangência superior a 90% dos municípios fluminenses. Além das doações, as entidades também recebem mensalmente ações educativas com o objetivo de ensinar o aproveitamento integral de alimentos, com a utilização de cascas, sementes e talos, na elaboração de receitas nutritivas e saborosas.

Os alimentos podem ser trocados por ingressos com antecedência nas unidades do Sesc RJ e em dias de jogos nas bilheterias do Ginásio Álvaro Vieira Lima (Tijuca Tênis Clube), sempre duas horas antes do início das partidas.