Por uma cultura de paz

Na assembleia geral de 1999, a ONU convocou um movimento global pela Cultura da Paz. Já finalizamos duas décadas e percebemos que a temática ainda é tema de constante preocupação.

A cultura de paz diz respeito a uma visão de mundo que privilegia o diálogo e a mediação para resolver conflitos, abandonando atitudes e ações violentas e respeitando a diversidade dos modos de pensar e agir.

Vamos refletir sobre isso?

Segundo a UNESCO, a Cultura de Paz “está intrinsecamente relacionada à prevenção e à resolução não-violenta de conflitos” e fundamenta-se nos princípios de tolerância, solidariedade, respeito à vida, aos direitos individuais e ao pluralismo.

O movimento deve ser de natureza coletiva e cabe a cada um de nós difundir a paz no dia a dia, estando cientes das nossas responsabilidades e entendendo que nossas ações afetam o outro. Para incentivar essas ações, a Unesco divulgou o “Manifesto por uma Cultura de Paz e Não Violência”, que indica alguns caminhos:

  • Respeitar a vida;
  • Rejeitar a violência;
  • Ouvir para compreender;
  • Preservar o planeta;
  • Redescobrir a solidariedade.

É importante entender que construir uma cultura da paz vai além do compromisso do Estado, envolve dotar as crianças e os adultos, as escolas e comunidades de uma compreensão dos princípios e respeito pela liberdade, justiça, democracia, direitos humanos, tolerância, igualdade e solidariedade.

E é importante perceber que a ausência de conflito explícito não necessariamente significa paz. O conflito pode se manifestar de forma silenciosa, pelo distanciamento, incompreensão, desconhecimento, inacessibilidade, burocracia e impotência.

Por isso, não haverá paz sem justiça. A justiça deve estar na educação, saúde e na habitação. Nosso caminhar para a transformação envolve pensar na justiça de forma mais ampla, com direitos iguais para todos e de forma inclusiva.

A paz precisa ser ensinada, aprendida e estimulada. 

Segundo dados do IBGE pessoas entre 15 e 39 anos são as maiores vítimas de homicídio no Brasil. Os dados mostram também que pessoas pretas têm 2,7 % de chance de serem assassinadas. Nos últimos dois anos estes dados estão mais alarmantes e diariamente nos deparamos com notícias de violação de direitos e diferentes tipos de violência.

Pensando nisso, aproveitamos o mês de janeiro, em que é celebrado o Dia da Não Violência, estipulado pela ONU, e convidamos você a pensar sobre como contribuir para redução da violência e propagação da cultura de paz.

Como você pode contribuir para disseminar a cultura da paz?

Separamos 4 dicas que ajudam a reduzir as diferentes formas de violência física, racial, social, política e cultural. Vamos juntos?

  1. Vamos falar sobre cultura de paz nos nossos espaços de convívio, seja na escola, trabalho, no âmbito familiar e até mesmo nas redes sociais. Propor pautas de diálogos sobre preconceitos de gênero, intolerância religiosa, intolerância política, entre outros. Esse é um excelente caminho para desconstrução de preconceitos e violências.
  1. Reconhecer o racismo e entender que pessoas pretas são as mais afetadas com todo esse cenário de violência é a melhor forma de combatê-lo. Não tenha medo das palavras branco, negro, racismo e racista. A palavra não pode ser um tabu, pois o racismo está em nós e nas pessoas que amamos – mais grave é não reconhecer e não combater a opressão. (Djamila Ribeiro).
  1. Reconhecer os privilégios da branquitude e ainda perceber o racismo internalizado em nós é um excelente exercício para combate à violência e desconstrução do racismo. Já parou para pensar quais privilégios uma pessoa branca tem somente por ter nascido com esta cor da pele?
  2. Exercite a solidariedade, a empatia e o cuidado com o outro. A dor do outro pode não ser a sua dor, mas ser solidário e empático ajuda e muito a transformar a sua comunidade e o seu ciclo de convívio diário.

 

Saiba mais sobre o tema em:

>> O que significa cultura de paz na prática

>> Por uma cultura de paz

>> Construção da paz

 

>> Acompanhe nossas notícias e fique por dentro das iniciativas e novidades do Sesc RJ clicando aqui!

Notícias relacionadas

Ver todas as notícias
Se não agora quando

“Se não agora, quando?” aborda a solidão e a depressão no isolamento social 

Veja mais
reabertura unidades

Nos adaptamos para continuar cuidando de você

Veja mais
Sesc RJ Flamengo

Sesc RJ Flamengo recebe o Pinheiros pela Superliga feminina de vôlei

Veja mais
Mesa Brasil Sesc RJ - Temporal em Três rios

Sistema Fecomércio RJ entrega 5,5 toneladas de mantimentos para vítimas do temporal em Três Rios

Veja mais