Forró: Do Nordeste para o Mundo

O forró surgiu em meados da década de 1930, popularizando-se por volta dos anos 1950 por todo o Brasil através do poeta, cantor e compositor Luiz Gonzaga (1912 -1989), que convencionou o formato do trio de forró composto pelos instrumentos musicais sanfona, zabumba e triângulo. Outros fatores como a migração nordestina para o sudeste, a divulgação midiática nas rádios e o interesse comercial das gravadoras, contribuíram para a popularização do estilo musical.

Existem diferentes versões para o surgimento da palavra forró. De acordo com a Enciclopédia da Música Brasileira (1998), a palavra trata-se de uma derivação do termo africano forrobodó, termo esse que é sinônimo de festa, de arrasta-pé ou farra. Essa definição é a mais aceita entre os estudiosos da área. Outra versão aponta a origem no termo inglês for all, vinda da época em que os funcionários ingleses trabalhavam nas construções das ferrovias em Pernambuco e organizavam festas e bailes aberto ao público onde na entrada estava escrito “For All” e a apropriação do povo nordestino transformou em Forró.  Polêmicas à parte, a primeira gravação da palavra forró que se tem registro fonográfico data do ano de 1937, na canção Forró na Roça, de Manuel Queirós e Xerém pela RCA Victor.

Inicialmente, as letras de forró retratam hábitos e costumes do povo nordestino, assim como temas ligado ao amor, às lembranças e à saudade do Nordeste. Com o tempo as composições passaram a retratar diversos outros temas e assuntos.

No forró, existem gêneros específicos como o Baião, Xote, Xaxado, Coco, Embolada, Arrasta-pé, Rojão. Atualmente os gêneros mais tocados são o Baião, Xote e Xaxado.

Baião
O Baião é um ritmo musical e de dança do nordeste Brasileiro, com origens no Lundu Africano e nas danças indígenas. Antes de sua popularização no Sudeste, o Baião já era cantado por violeiros, bandas e conjuntos do interior nordestino.

Luiz Gonzaga, junto com Humberto Teixeira, convencionaram o Baião conforme entrevista ao Jornal O Pasquim, em 1971: “Eu tirei justamente do bojo da viola onde o cantador faz o tempero para o improviso, para o repente. Ele costuma cantar fazendo o ritmo no bojo da viola e o dedão vai comendo nos bordões. Eu peguei essa batida, criei um jogo melódico e Humberto Teixeira colocou a letra”.

Xote
A palavra tem origem da dicção popular alemã “schottische” que originou então a expressão “xote” ou “xótis”.

O xote é uma dança de salão, semelhante à polca, mas com andamento mais lento. Surgiu na Alemanha e se espalhou pela Europa chegando ao Brasil em meados do século XIX, onde animava os salões aristocráticos. Rapidamente, esse gênero se popularizou por todo o território nacional adquirindo características específicas em cada região do país. No Sul o instrumento que se destaca no ritmo é a gaita, já no Nordeste, a sanfona.

Na mesma entrevista citada acima, Gonzaga descreve o Xote como música estrangeira que ganhou características do Nordeste. Luiz fala sobre o Xote nordestino como um xote malandro, xote pé de serra, uma forma matuta de dançar, as letras contam histórias jocosas e humorísticas.

Xaxado
Existem diferentes versões para a origem do xaxado, a mais aceita diz que teria vindo do Cangaço. Como não haviam mulheres nos bandos de cangaceiros, estes, dançavam com seus rifles em momentos comemorativos e a dança se tornava basicamente masculina. Com a vinda das mulheres aos grupos, estas começam a entrar na dança também.  Segundo Enciclopédia da Música (1998) e o historiador Luís da Câmara Cascudo (1975), o xaxado é dança em círculo e em fila indiana, sem volteio, avançando o pé direito em 3 e 4 movimentos laterais e puxando o esquerdo, num rápido e deslizado sapateado. O nome da dança, desta forma, é uma onomatopeia do som característico produzido pelas sandálias arrastadas no chão.

Atualmente o xaxado é dançado de forma enlaçada entre os parceiros da mesma forma que os outros gêneros do forró, desvencilhando completamente da como como faziam antigamente.

Três fases do Forró
Pode se dizer que o forró pé de serra teve três grandes momentos na história. O primeiro, na década de 1950, com o baião “criado” por Luiz Gonzaga, conhecido como Rei do baião e principal representante do forró, que abriu caminho para o surgimento de novos artistas nordestinos como Jackson do Pandeiro, Marinês, Dominguinhos, Sivuca, entre outros. Já na década de 1970, a geração dos cabeludos Geraldo Azevedo, Alceu Valença, Zé Ramalho e Elba Ramalho inovou o forró, introduzindo misturas sonoras como elementos da música pop e do rock, além da utilização de novos instrumentos como o baixo, bateria e guitarra. O terceiro grande momento do Forró se inicia a partir do final da década de 1990 com grupos como Falamansa, Forróçacana, Rastapé, Trio ForrozãoRaiz do Sana, Bicho de Pé, entre outros. Esta última geração promove um movimento de difusão dessa cultura, principalmente pela facilidade de divulgação e promoção através das novas tecnologias e plataformas digitais.

O forró se modernizou junto com o processo de migração, urbanização e globalização do país, e acompanhou o desenvolvimento de novos sistemas tecnológicos e de comunicação. O forró, antes restrito ao interior nordestino, alcança níveis globais. A música passou a utilizar diversos instrumentos e a dança se apropriou de passos de dança de salão. Surgiram, então, novas formas de relacionamento com a festa, música e dança, mas a alegria de curtir um “forrózin” não muda.

No Spotify do Sesc RJ você vai se deliciar com clássicos do forró e de diversos artistas presentes nesse texto, que passaram recentemente pelas nossas programações.

Você ainda pode aprender a dançar diversos passos do forró com os nossos professores no Canal do Youtube!

Outras Notícias

Ver todas as notícias
Colônia de férias Sesc RJ

Inscrições para a Colônia de Férias 2023 Sesc RJ começam no dia 6 de dezembro

Veja mais
alunos da rede pública se apresentam no Natal Sesc 2022

Orquestras formadas por alunos da rede pública se apresentam em 26 cidades com o programa Natal Sesc RJ

Veja mais
Natal sesc 2022 no Theatro Municipal com Ivan Lins

Theatro Municipal do Rio terá ‘Natal de Luz’, espetáculo gratuito, com participação de Ivan Lins

Veja mais
sesc rj flamengo

Sesc RJ Flamengo é superado pelo Sesi Vôlei Bauru no tie-break

Veja mais