parceria com o Instituto Municipal Nise da Silveira

Sesc RJ e Instituto Municipal Nise da Silveira reforçam a missão do respeito à diversidade e do direito à Cultura

Por Cleide Fonte e Gabriela Farias

Muito se fala do papel fundamental da cultura no período da quarentena. Os diálogos nos trazem as discussões sobre as ausências e o que seria de nós sem as linguagens artísticas.  A cultura, com a ajuda da tecnologia, demonstra mais uma vez a capacidade de unir pessoas, desenvolver confiança e oportunizar encontros para além dos impedimentos atuais. Porém, não é de hoje que a arte contribui para o bem-estar da sociedade, através dela podemos nos superar e atravessar as barreiras que nos são impostas no dia a dia. No mês em que se celebra a luta antimanicomial, entre tantos exemplos, destacamos a parceria do Sesc RJ com o Instituto Municipal de Assistência à Saúde Nise da Silveira.

A alagoana Nise da Silveira, discípula de Carl Jung, revoluciona o tratamento psiquiátrico no Brasil na luta contra os manicômios e as práticas desumanas desses espaços e funda a Seção de Terapêutica Ocupacional no Centro Psiquiátrico Pedro II, curiosamente no mesmo ano em que o então presidente da República Eurico Gaspar Dutra decreta a criação do Sesc e do Senac, em 1946. Ao seu lado, a enfermeira e assistente social Ivone, posteriormente conhecida como a cantora e compositora do Império Serrano Dona Ivone Lara, é fundamental no êxito do novo tratamento. Através de seus contatos consegue patrocínio, adquire instrumentos musicais e cria a oficina de música, que passa a apoiar festas e eventos de socialização entre os pacientes, seus familiares e os funcionários do hospital. Além do trabalho com a música, podemos destacar também os ateliês de pintura e modelagem que estimulam a fundação do Museu de Imagens do Inconsciente em 1952, tornando Nise da Silveira mundialmente conhecida.

No ano 2000, o Centro Psiquiátrico Pedro II se torna Instituto Municipal Nise da Silveira, no contexto do fortalecimento do movimento da Luta Antimanicomial e do desenvolvimento da Política Nacional de Saúde Mental e vira referência para estudantes de diversas áreas de interesse de todo Brasil.  Em 2001 é aprovada a Lei Federal de Saúde Mental, nº 10.216,  depois de doze anos de tramitação, que regulamenta o processo de Reforma Psiquiátrica no Brasil. Mesmo ano em que uma oficina de arte do serviço ambulatorial para pacientes e seus familiares dá origem a um bloco de carnaval, o Loucura Suburbana. O desfile anual do Bloco Loucura Suburbana arrasta centenas de foliões pelas ruas do Engenho de Dentro e acontece toda 5ª feira antes do carnaval.

Ariadne de Moura Mendes, coordenadora do Bloco Carnavalesco Loucura Suburbana e do Ponto de Cultura Loucura Suburbana – Engenho Arte e Folia define:“ O desfile do bloco loucura suburbana além de ser um encontro alegre que reúne foliões de toda cidade, é também a celebração de todo um trabalho da rede pública de saúde mental , mas para que ele aconteça várias atividades são desenvolvidas ao longo do ano.” e destaca a importância da parceria com o Sesc RJ:

Neste ano 2020 o Loucura Suburbana realizou o seu vigésimo desfile e foi o segundo ano de uma feliz parceria estabelecida com o Sesc RJ. Parceria que permitiu que a gente realizasse dois  sonhos: O primeiro foi fazer a escolha de samba na sede do Sesc, isso era um sonho antigo nosso; e o segundo foi a realização da oficina dos bonecos do Germano. (…) apesar de todo o reconhecimento, tem sido um grande desafio colocar o bloco na rua. Mas nesses dois últimos anos com certeza algo novo se produziu na equipe, é um sentimento de mais confiança e tranquilidade para realizar as tarefas e enfrentar os desafios.  E esse sentimento novo tem sido proporcionado pela parceria com o Sesc RJ por causa da sua estrutura organizacional, do profissionalismo e da dedicação da sua equipe.”

 

Além de realizar a escolha do samba enredo do bloco nas dependências do Sesc RJ com a presença de várias personalidades do mundo do samba e da comunidade do Engenho de Dentro, vale destacar que as áreas de Música e Artes Cênicas do Sesc participam com a contratação da fanfarra e dos artistas circenses que fazem a festa durante o desfile!  Setores de Educação e Assistência também colaboram por meio das oficinas de artesanato, oficina de abadá de carnaval e confecção de adereços e fantasias. Em 2020, ampliamos a participação durante o desfile com a presença de instrutores de dança e esporte, TSI, dicas de saúde e a campanha “História e manifestações locais de carnaval”.

Abel Luis, coordenador musical do Bloco comenta sobre a importância do trabalho desenvolvido: “acho que a grande contribuição que o Loucura coloca enquanto dispositivo de cultura e carnaval, de bloco de rua, artístico, estético, social (…) é que ele coloca pra sociedade o quanto essas discussões são de toda a sociedade civil. Ela amplia e aproxima, até porque esse gargalo onde vão parar as pessoas que precisam de um atendimento estão extremamente atrelados a uma realidade que inclui pobreza, preconceitos, estigmas, situação de rua, uso de álcool e drogas, violência doméstica, violência racial, violência relacionada a questão de gênero, e às vezes sejam elas separadas ou sejam elas combinadas todas em uma única pessoa. Então o grande debate que a gente faz é aproximar a sociedade civil e fazê-la perceber que  é uma questão para sociedade viver melhor como um todo e não de uma questão de um  grupo específico”.

E enfatiza:  “acho que a gente tem na cultura uma grande resposta, uma resposta que é criativa, uma resposta que dialoga, que aproxima, que constrói o que a gente mais precisa, sair desse lugar de estranhar o outro e entrar no lugar de acolher o outro. (…) E essas parcerias vão desde se pensar como vizinho, se pensar como equipamento do bairro… e aí nesse ponto é fundamental a parceria com o Sesc RJ que também, assim como o Nise, no Engenho de Dentro, o Loucura, o CAPS Clarice Lispector onde eu faço a minha oficina livre de música, são coisas conhecidas e reconhecidas como parte do dia a dia do bairro, seja de acordo com o tempo histórico, ou de acordo com o tempo simbólico de cada coisa, elas vão se ressignificando. Essas parcerias vão muito nesse campo de como que a gente constrói formas de produzir ordinários mais solidários … como a cultura é uma ferramenta importante para isso. E como equipamentos, indivíduos, fazeres, e cotidianos tem que se integrar para que a gente possa juntos aprender uns com os outros. E acho que por esse caminho a gente acaba convergindo, seja com as coisas que a gente está comungando e convergindo também numa forma de equilibrar, equacionar o que é diferente entre a gente. O que é diverso entre a gente. Não em uma forma de se competir, mas numa forma de se completar”.

Da parceria com o Sesc RJ no campo das artes visuais surgem duas exposições: “Loucura Suburbana: Engenho, Arte e Folia” – homenagem aos 20 anos do bloco com fotografias de diversos colaboradores e indumentárias de mestre sala e porta bandeira; e “Bonecos Gigantes do Germano”, que leva para as ruas e galeria releituras de bonecos gigantes famosos desde a década de 50 nos carnavais de rua do Engenho de Dentro e Encantado.

Além das exposições, a área realiza oficinas que estimulam as atividades formativas, como a Oficina de Pintura em parceria com o Trilhos do Engenho. Para Lúcia Andrade, coordenadora do Centro e seus colaboradores “No Centro de Convivência atendemos usuários de saúde mental, familiares e algumas pessoas da comunidade. Temos como diretriz de trabalho promover e facilitar a autonomia dos usuários por meio da convivência em grupo, da circulação pela cidade e do acesso a espaços de arte e cultura, a fim de tensionar e transformar o estigma sobre a loucura bem como sobre outras formas de exclusão”.

Entre as realizações em parceria com o Sesc RJ, podemos citar duas oficinas de audiovisual, com a técnica do “Stop Motion” com temática referente ao 18 de maio, Dia da Luta Antimanicomial, e em contribuição à campanha Setembro Amarelo, que trata do importante tema da prevenção ao suicídio.

 

O Espaço Travessias – Núcleo de Cultura, Ciência e Saúde também promove diversas atividades e os afetos se dão, sobretudo, através das atividades culturais e artísticas, segundo Marcelo Valle “todo ser humano está sujeito a passar por algum tipo de sofrimento psíquico ao longo de sua vida. E cada ser humano lida de diferentes maneiras com esse sofrimento, de acordo com suas fragilidades, entregas, experiências de vida e o contexto em que vivem”. No atual cenário, o Espaço tenta recriar algumas das oficinas, mantendo o isolamento social, conforme as orientações da OMS. “Estão sendo produzidos por nossos  agentes  culturais de saúde e parceiros diferentes materiais voltados para clientes, profissionais de saúde,  cuidadores e também  acessível à população de forma geral”, como nos informou Marcelo. Esse material está sendo  disponibilizado em diferentes redes sociais, nos perfis do Espaço Travessia no Facebook, no Instagram e compartilhado no Whatsapp.

 

As famílias do Instituto são ainda presença marcada na Unidade Sesc Engenho de Dentro, participando  de diversas atividades, como visita mediada à galeria, exibições de cinema com debate, teatro, apresentações de música, visita à sala de cultura digital, além dos  cursos e oficinas, tudo de forma gratuita; gerando um intercâmbio entre duas instituições importantes para a Zona Norte.

 

Nise: o coração da loucura, com direção de Roberto Berliner. Filme disponível para aluguel no google play ou youtube.

Notícias relacionadas

Ver todas as notícias
Santa-Maria-Madalena

Você já ouviu falar dos Caminhos da Serra?

Veja mais

Mesa Brasil Sesc RJ distribui 16 toneladas de hambúrgueres em comunidades do Rio

Veja mais

Mesa Brasil Sesc RJ distribui 9 toneladas de alimentos

Veja mais
teatro-Amir Haddad

Amir Haddad por Aderbal Freire-Filho

Veja mais