setembro amarelo
Crédito: getty images

Setembro Amarelo: Literatura e Prevenção ao suicídio

Campanha Setembro Amarelo difunde anualmente a conscientização à prevenção do suicídio. A literatura é um veículo importante para o reconhecimento de sinais, e o encorajamento para pessoas se expressarem e buscar apoio necessário. 

Por Vicente Costa
Bibliotecário e Analista de Literatura

“Angústia é fala entupida”. A frase da poeta Ana Cristina Cesar, que nos deixou precocemente aos 31 anos, evidencia a necessidade de amplo diálogo, orientação e estímulo à construção de redes de apoio para a manutenção da saúde mental e prevenção ao suicídio. 

A origem do movimento de conscientização no mês de setembro remonta ao ano de 1994, quando o jovem estadunidense Mike Emme, cometeu suicídio aos 17 anos. Na cerimônia de funeral, amigos do jovem elaboraram cestas de cartões e laços amarelos com os dizeres “Se precisar, peça ajuda”, dado ao fato de tanto a família, quanto os amigos mais próximos não terem percebido sinais que Mike emitia. Em 2013, a Organização Mundial de Saúde instituiu o dia 10 de setembro oficialmente como o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, no entanto a campanha acontece durante o ano todo. No Brasil, a campanha #SetembroAmarelo ocorre desde 2014. Segundo a OMS, a cada 40 segundos ocorre um suicídio no mundo. Em relação ao Brasil, há dados que indicam 32 mortes por dia. 

Falar é a melhor solução

“Nove em cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas”, segundo a OMS. Observamos a partir dos dados, portanto, que a fala, a escuta e um canal aberto de diálogo em si, são importantes aliados na prevenção. A literatura é uma potente forma de expressão e reflexão, e possui exemplos de textos e composições interessantes que tratam desde depressão, traumas a questões de saúde mental, e podem gerar maior acesso e debate ao assunto, que envolto de tabus e obstáculos é equivocadamente evitado. 

Selecionamos algumas dicas literárias, veja a seguir:

  • Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban, de J.K. Rowling
    O livro traz as figuras dos “dementadores”, criaturas que atacam as personagens retirando suas lembranças positivas e sua disposição física tal qual a depressão pode acarretar as pessoas.
  • Mrs. Delloway, de Virginia Woolf
    O livro apresenta um personagem que sofre de estresse pós-traumático por ter participado da primeira guerra mundial. Ao longo do texto é possível ver como o personagem lida com suas questões e é possível ter empatia sobre sua situação.
  • A redoma de Vidro, de Silvia Plath
    Um livro quase autobiográfico, no qual a autora traz experiências com o luto que a personagem central precisou lidar.
  • Slam 188
    O Slam 188 é um coletivo poético formado no Rio de Janeiro, por poetas que desenvolvem textos e rodas de poesia com a temática da prevenção e manutenção da saúde mental e a busca de apoio.

 

  • Podcast Rabiscos
    Episódio: Precisamos falar de suicídio – para além do setembro amarelo e literatura.

Em tempo, tanto quanto a pessoa com necessidades verbalizar suas angústias é importante também o acolhimento. Fique atento aos sinais e dê escuta e visibilidade. 

Se precisar, ou souber de alguém que necessite de ajuda, disque 188 no telefone e/ou entre em contato com o Centro de Valorização à Vida (CVV) através de suas redes sociais.

Fique por dentro das iniciativas do Sesc RJ clicando aqui e acompanhe nossas redes (YouTubeInstagram e Facebook). #SescRJCultura #SetembroAmarelo

Outras Notícias

Ver todas as notícias
Fórum Internacional Mesa Brasil

Fórum internacional discutirá a fome e o desperdício de alimentos

Veja mais
Guia sobre arduíno - Arte, Ciência e Tecnologia

ACT: Placa arduíno e suas funcionalidades

Veja mais

Sesc RJ leva atendimento odontológico móvel e gratuito a Queimados

Veja mais
Som do Sesc: Nando Reis e filho Sebastião apresentam live com abertura de Chico Chico

Maria Gadú é a atração do Som do Sesc deste sábado (25/9)

Veja mais