4ª edição do Congresso Mundial de Educação Sesc RJ começa com diálogos sobre “O Despertar das Consciências”

Congresso Mundial de Educação Sesc RJ começa com diálogos sobre “O Despertar das Consciências” 

O anticapacitismo, antirracismo e o letramento científico estão entre os assuntos abordados na 4ª edição do Congresso Mundial de Educação, que reúne convidados internacionais.

Um público caloroso formado por estudantes, professores, lideranças da educação e parceiros lotou o Auditório da Fecomércio RJ, no Sesc Flamengo, nesta quarta-feira, 25 de outubro, para acompanhar o primeiro dia do Congresso Mundial de Educação Sesc RJ. A 4ª edição do evento começou embalando a plateia, presencial e virtual – que pode assistir à transmissão ao vivo pelo YouTube do Sesc RJ-, com o espetáculo musical “Nelson Gonçalves – O amor e o tempo”.

Congresso Mundial de Educação Sesc RJ começa com diálogos sobre “O Despertar das Consciências”
Foto: Adriano Ishibashi/Casa da Foto

A obra escrita pelo professor Gabriel Chalita para homenagear o centenário do cantor, em 2019, aqueceu os participantes com um repertório cheio de clássicos eternizados pela poderosa voz de Nelson. Famosas canções como o “A volta do boêmia”, “Carinhoso” e “Com que Roupa?”, interpretadas no palco pelos atores Guilherme Logullo e Jullie, animaram os presentes no auditório que uniram suas vozes em coro e acompanharam com palmas.

Em seguida, o presidente da Fecomércio RJ, Antônio Queiroz, deu as boas-vindas aos participantes do evento e se emocionou ao falar sobre as desigualdades de acesso à educação e à tecnologia que os jovens brasileiros enfrentam.

“Na pandemia, a educação sofreu muito com as aulas remotas. O abismo aumentou. O acesso à tecnologia tem que ser igual a todos os estudantes, mas sabemos que isso não é assim agora. Mas é preciso dar um primeiro passo, para estarmos um pouco mais à frente que antes. Todos têm direito à igualdade, e aqui nós pregamos isso”, disse Queiroz, que após uma pausa, complementou: “Peço desculpas pela emoção, mas é porque essa é nossa razão de estarmos aqui”.

A diretora regional do Sesc RJ, Regina Pinho, completou:

“Para o Sesc, educação é um projeto contínuo, de vida, de integração, de diálogo, de pensamentos diferentes e coletivos diferentes. Só assim poderemos nos harmonizar e sermos educados para a paz, para a felicidade coletiva”.

A AFETIVIDADE NAS RELAÇÕES E REFLEXÕES SOBRE O CAPACITISMO

Com o tema “A educação do afeto”, o autor e professor Gabriel Chalita fez a palestra inaugural do evento. “Para mim, não existe um outro caminho a não ser educar por vínculos. É o outro se sentir acolhido, se sentir importante, valorizado. Nós gostamos disso em todos os ambientes. Imagina em uma escola? Por isso, que falo tanto de afeto. O conteúdo é fundamental, mas a essência do processo educativo chama-se vínculo, afeto”, destacou Chalita.

Já o mestre de cerimônias do congresso e palestrante Marcelo Zig, abriu os trabalhos no período da tarde com um papo franco e esclarecedor sobre Capacitismo e Interseccionalidade. Deficiente físico desde 1995, depois de sofrer um acidente ao pular de uma ponte e mergulhar em águas rasas, Zig falou sobre acessibilidade, a dificuldade do acolhimento da pessoa PCD e propôs uma reflexão sobre as circunstâncias que fazem as pessoas se tornarem deficientes.

“Já pararam para pensar que a maior parte das PCDs não nasce deficiente, se tornam deficientes através de experiências? Pouco se pensa sobre isso. O problema não é ser deficiente, o problema é não poder ser deficiente. O problema não é adaptar, mas, de fato, ampliarem os espaços para melhor autonomia e conforto dos PCDs e de todos”, pontuou Zig.

CONEXÕES DA LUTA ANTIRRACISTA PELO MUNDO

Congresso Mundial de Educação Sesc RJ começa com diálogos sobre “O Despertar das Consciências”
Foto: Adriano Ishibashi/Casa da Foto

Sob a temática “Educação Decolonial, Ações Afirmativas e Experiências do Sul Global”, o sociólogo argentino e ativista antirracista Carlos Alvarez Nazareno e o sociólogo e educador do Níger Issaka Maïnassara se uniram na primeira Mesa de Diálogos do congresso. Com muitas vivências, informações sobre as similaridades e diferenças das realidades em seus países de origem e traçando paralelos com o Brasil, Carlos e Issaka promoveram um momento de muita interação e trocas com o público presente. Eles receberam várias perguntas sobre o papel da educação em suas comunidades e quais perspectivas eles enxergam para a educação dessa geração.

“Pensar outras educações, despertar outras consciências no campo educativo para nós é fundamental. Efetivamente, estamos construindo um mundo muito mais igualitário. E nisso, a educação tem um papel central. Mas não é qualquer tipo de educação, é uma educação antirracista, que tenha uma perspectiva interseccional, decolonial e que, sobretudo, tenha o foco de atenção os jovens, crianças e adolescentes”, argumentou Carlos.

Issaka, que vive no Brasil há 12 anos, comenta que ter a oportunidade de trocar experiências e fazer novas conexões neste congresso mundial tão diverso fomenta o ideal de que “a educação traz consciência, luta e igualdade”.

“Numa perspectiva antirracista, promover um evento como este, dentro da sociedade brasileira, é pensar uma sociedade sem discriminação de gêneros, orientação sexual, sem violência”, concluiu o nigerense.

NOVIDADE! A REVISTA HUMANOS ‘TÁ ON’

No encerramento das atividades do dia, o público ainda teve a oportunidade de conhecer a versão digital da Revista Humanos. A publicação impressa ganhou um site e agora também está disponível online! A novidade foi apresentada em um bate-papo descontraído com os analistas de educação do Sesc RJ, Adriano Rocha, Ana Paula Simonaci e Bernardo de La Veja Vinolo, responsáveis pelo projeto editorial da revista.

“As publicações da Revista Humanos estão sempre trazendo a intersecção entre ciência, arte e tecnologia, e tentando mostrar quão fascinante é o conhecimento, nas diversas formas. Seja o científico dentro da academia, quanto também fora da academia, na arte, nas tecnologias, na descoberta do mundo. Essa é a intenção da revista, o fascínio do descobrimento nas diferentes formas”, explicou Ana Paula em entrevista.

Clique aqui para acessar e conhecer a Revista Virtual Humanos.

LEIA TAMBÉM:

Encontros internacionais e presença de representantes de povos originários encerram o Congresso Mundial de Educação Sesc RJ
Conceição Evaristo fala sobre o conceito da escrevivência no Congresso Mundial de Educação Sesc RJ

Acompanhe nossas notícias também em nossas redes (YouTubeInstagram e Facebook) e fique por dentro das novidades do Sesc RJ.

Outras Notícias

Ver todas as notícias
sesc rj flamengo

Sesc RJ Flamengo enfrenta o Praia Clube por vaga na decisão da Copa Brasil

Veja mais
BiblioSesc

Sesc RJ inicia a gestão das bibliotecas municipais da Ilha do Governador e de Botafogo

Veja mais
Hotel Sesc Cabo Frio

Hotel Sesc Cabo Frio lança combo de promoções exclusivas

Veja mais
CineSesc exibe em março filmes que mergulham em poderosas histórias de mulheres

CineSesc exibe em março filmes que mergulham em poderosas histórias de mulheres

Veja mais