Mostras Regionais de Artes Cênicas 2021 – Baixada: Um Conto Mais que Arretado

Jão, um menino de origem nordestina, enfrenta a seca e a desigualdade de sua terra. A trupe do circo chega à cidade de Taperoá e encanta o menino que sonha em fugir de sua cidade na tentativa de melhorar de vida, embarcando em um mundo de música e fantasia. A função da trupe circense é convencer o Jão de que ele não pode fugir dos seus problemas. O menino se vê no meio da vida e da morte, sem saber se é verdade, durante suas encrencas o jovem enfrenta uma longa conversa com Emanuel (Jesus) e a Carrancuda (diabo) sobre assuntos como suicídio, bullyng desigualdade e fé. De forma lúdica, divertida e utilizando a linguagem de cordel, o espetáculo nos convida a pensar nas atitudes importantes da nossa vida em sociedade. Teatro.

Companhia Multiatores Incena:

O Grupo MULTIATORES INCENA é formado por atores da baixada fluminense que se encontraram nas aulas de iniciação teatral do Sesc Duque de Caxias. É um coletivo de artistas que se dedica à pesquisa da linguagem teatral nas suas diversas formas de expressão estética como forma de aprimorar seu ofício. Com 3 anos de existência o Grupo mantém um trabalho contínuo de investigação, produção, montagens e apresentações de espetáculos nos mais diversos estilos e técnicas. Também realizam o Projeto Escola, abordando assuntos importantes dentro da sala de aula através do Teatro.

Ribamar Ribeiro:

Ribamar Ribeiro é ator, diretor, dramaturgo, produtor, professor e sonoplasta. Possui Licenciatura em Artes Visuais e é Mestrando em Artes na UERJ. Já escreveu e dirigiu mais de 50 espetáculos teatrais.

É Diretor Artístico e um dos fundadores de Os Ciclomáticos Companhia de Teatro e da CTI – Comunidade Teatral Independente. Como Ator já trabalhou com André Paes Leme, Marília Martins, José da Costa e Nanci de Freitas e Antônio Abujamra. Possui mais de 40 prêmios em todo o Brasil. Professor da FUNARTE, SENAC Rio e SESC Rio. Ministrou oficinas e palestras nas Universidades: UNIRIO, UFBA, Universidade Rural e Estácio de Sá; e também em Festivais Internacionais: Lima – Peru, França e Alemanha. Em 2006 dirigiu o musical sobre samba: “”É Isso Aí, Irajá!””, de Nei Lopes. Em 2013 escreve e dirige “”Casa Grande e Senzala – Manifesto Musical Brasileiro”” vencedor do Prêmio Montagem Cênica do Governo do Estado do Rio de Janeiro.

Em 2015 recebe o Prêmio Internacional do Festival Internacional de Teatro Latino-americano em Lima no Peru como diretor e dramaturgo pela pesquisa de linguagem. Também participa do festival Santiago a mil na Comitiva Brasileira do Ministério da Cultura no Chile. Em 2018 foi jurado do Concurso de Dramaturgia para Infância e Juventude – FUNARTE – 2018. Em 2020 participa do Laboratório de Direção Cênica do X FESTEPE – Festival Internacional de Teatro y Performance em Chancay – Lima – Peru.

Como dramaturgo, foi selecionado para as publicações com os seus textos: “”Cenas do Confinamento””, “”Escrita Criativa – UERJ”” e “”Festival de Peças de Um Minuto”” de Os Parlapatões. A sua performance “”Arquivo Vivo”” foi apresentada na UERJ, UFRJ / EBA e na PUC Rio.

Unidades