Mostras Regionais de Artes Cênicas 2021 – Serrana: Ache a cor

Tendo em vista, principalmente o momento de pandemia que estamos vivendo, está explícita a necessidade de se discutir e abordar sobre temas de saúde mental como conflitos, decepções, autoestima, abandono, depressão, ansiedade, pânico, desamor, crises e traumas, principalmente como olhar e lidar com essas questões. O espetáculo abordará de forma artística situações populares a respeito desses temas que permeiam a atual sociedade e de como seria um suposto “novo olhar” trazendo a mensagem não só sobre a importância, mas sobre a possibilidade de ressignificar essas questões.

Em um cenário monocromático onde as cores bailam, a trilha sonora transporta o público para dentro de si e traz reflexões sobre a cor que tem prevalecido. Os bailarinos transformam as suas histórias em uma exposição de arte onde os mesmos são as obras. Qual é a cor do amor? Qual a cor da felicidade? Qual é a cor da tristeza? Qual é a sua cor? SOMOS TODOS COLORIDOS! E nesse grande devaneio estamos prestes a abrir a porta e descobrir as verdadeiras cores da nossa vida.

Ficha Técnica:

Bailarinos: Hugo Travassos, Lurriely Lima, Vitor Ferraz e Danilo Silva de Oliveira Gomes
Nome do Espetáculo: Ache a cor
Direção e concepção: Welynton Silva
Produção executiva: Damares Chueng
Classificação:14 anos
Duração: 20mn.

Dança Cia Interurbanus RJ:

Formada em dezembro de 2015, na cidade de Teresópolis/RJ, a Companhia de Danças Urbanas Interurbanus deu início às suas atividades em festivais e eventos dentro e fora do Estado do Rio de Janeiro. A companhia tem como objetivo uma carreira sólida, reconhecimento nacional e internacional, através de espetáculos desenvolvidos de forma minuciosa e dando importância à brasilidade, que é ponto forte da mesma. No âmbito competitivo, esteve em grandes festivais, como o Fih2 – Festival Internacional de Danças Urbanas, realizado na cidade de Curitiba/PR, sendo o maior festival de Danças Urbanas do país. Igualmente em um dos maiores e mais conceituados festivais de Danças Urbanas do mundo, o World Of Dance, no qual participou da seletiva na cidade de São Paulo e classificou-se em 3° lugar, sendo esse o ápice da companhia até o presente momento.

A companhia desenvolve um trabalho próprio focado nas particularidades do movimento e expressividades únicas de cada bailarino/intérprete, potencializando através da coreografia uma visão mais criativa da ideia de capacidade e limite. Mônica Burity – Graduada em Licenciatura em Dança pela UniverCidade, iniciou seus estudos em dança na Academia de Dança Carlota Portella de 1995 à 2001, estagiando na Cia de Dança Carlota Portella durante este último ano. Fez parte da Cia Aérea de Dança em 2002.

Na Cia de Dança Dani Lima entre 2002 e 2007, participou como intérprete-criadora. Em 2004 participou do projeto “Solos do Sesc” a convite do coreógrafo João Saldanha que criou o trabalho “Eles assistem e eu danço. Um estudo para Mônica Burity”. Em 2009 támbem pelo projeto “Solos do Sesc” apresentou junto a Paula Águas e Daniella Visco “Qual é a música?” de Paula Águas. Desde 2000 até o final de 2017, integrou a Focus Cia de Dança. Como intérprete criadora participou do trabalho “Fauno”, com direção de Gustavo Gelmini, em 2018. Sendo indicada como melhor bailarina no prêmio Cesgranrio (2018), por este trabalho. Em 2019 estreou o trabalho “Limítrofe”, que além de dividir a cena, dirigiu e coreografou junto a Wil Freitas. Também em 2019, se apresentou como bailarina junto à Renato Vieira Cia de Dança no circuito Sesc, o espetáculo “Malditos” (2018). Na peça teatral “Rastros por Râmilet” (2019), fez direção de movimento e assistência de direção. Atualmente ministra aulas de dança contemporânea.

Unidades