Arte em Cena - Sinha não dorme
Crédito: Divulgação

Arte em Cena – Temporadas: Sinhá não dorme

O projeto Arte em Cena – Temporadas apresenta ‘Sinhá não dorme’, que estreia em plataforma digital nesta sexta e discute questões raciais e de gênero. Thriller mistura elementos do cinema e do teatro on-line em enredo que traz duas mulheres negras, ex-namoradas, que discutem a relação e escondem uma da outra um grande mistério. 

O espetáculo “Sinhá não dorme” estreia nesta sexta-feira (19/3), às 20h, temporada virtual com transmissão pela plataforma Zoom. O acesso é gratuito, mas limitado, devendo o espectador garanti-lo por meio do link disponível no perfil da peça no Instagram (@sinhanaodorme). As sessões, que acontecem de sexta a domingo até 11 de abril, integram o Arte em Cena – Temporadas, braço de temporadas teatrais do projeto em que Sesc RJ transmite espetáculos artísticos em suas redes sociais e em plataformas digitais.

Thriller Eletrizante

Misturando elementos do cinema e do teatro on-line, “Sinhá não dorme” é um thriller eletrizante ambientado num quarto onde duas mulheres negras, ex-namoradas, discutem sua relação enquanto uma procura esconder da outra um assombroso mistério. A ideia é discutir o feminismo em perspectiva interseccional ao abordar questões raciais e de gênero.

Idealizado e estrelado pelas atrizes Glória Diniz e Roberta Valente, a peça reúne uma equipe artística principalmente formada por mulheres, com Tatiana Nascimento assinando o texto, e Isabel Penoni, a direção. A fotografia é de Andrea Capella, a arte, de Paula Stroher, e a trilha sonora, de Maíra Freitas. Juliana França responde pela assistência de direção.

“Este texto é muito potente, porque fala da relação entre duas mulheres negras e delas com o mundo. Ao começar a estudar, a personagem que já nasceu na condição de empregada doméstica e considerada ‘da família’ percebe que sempre foi abusada e humilhada, confinada a um quarto de empregada. Desde os tempos coloniais, por maiores que fossem as casas, a mulher negra sempre foi colocada num lugar minúsculo, sem janela, onde mal cabia uma cama”, ressalta Roberta.

A elaboração do espetáculo iniciou em 2016, após Roberta Valente conhecer o dramaturgo angolano Mena Abrantes numa passagem pelo Rio de Janeiro. Ao lado de Glória, a artista iniciou uma pesquisa em Luanda, capital de Angola, em contato direto com o autor e sua obra, que inspirou a peça.

Oficinas gratuitas

Além da encenação virtual do texto, o projeto ainda contempla outras ações, como uma oficina de dramaturgia ministrada pela autora, Tatiana Nascimento, com vagas gratuitas destinadas, prioritariamente, para mulheres negras, e a mesa temática “Teatro e novas tecnologias”, que irá debater a imbricação entre a criação artística e as diferentes plataformas tecnológicas. Por fim, as atrizes e a diretora farão um bate-papo focado na publicização do processo de criação do espetáculo. Mais informações no perfil do Instagram da peça.

Serviço:
“Sinhá não dorme”
Projeto Arte em Cena do Sesc RJ
Temporada: de 19/03 a 11/04
Sexta, sábado e domingo, às 20h, na plataforma Zoom
Grátis, mediante reserva clicando aqui

*Link disponível na biografia do espetáculo no Instagram: @sinhanaodorme

Temporada viabilizada pela Lei Aldir Blanc – Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e Sesc RJ

 

Ficha Técnica:
Idealização: Roberta Valente
Com: Gloria Diniz e Roberta Valente
Texto: Tatiana Nascimento
Direção: Isabel Penoni
Assistência de direção: Juliana França
Fotografia: Andrea Capella
Arte: Paula Stroher
Trilha Sonora e produção musical: Maíra Freitas
Músicas originais: Tatiana Nascimento
Programação visual: Diogo Brozoski
Coordenação online e Mídias sociais: Rodrigo Menezes
Técnico audiovisual: Mario Filho
Assessoria de Imprensa: Gisele Machado e Bruno Morais / Marrom Glacê Assessoria
Produção: Bem Medeiros
Assistente de Produção: Matheus Ribeiro
Produção executiva: Douglas Resende
Realização: Pé de Vento, Suma Filmes, Roberta e Anna Produções

Currículos:

Isabel Penoni – Direção

Diretora e pesquisadora teatral, cineasta e antropóloga, é professora adjunta do Departamento de Ensino do Teatro e do Programa de Pós-Graduação em Ensino do Teatro da UNIRIO. Desenvolve projetos formação em teatro, criação cênica e produção fílmica na Maré (Rio de Janeiro) e em diferentes áreas periféricas do mundo, investigando particularmente as relações entre encenação, processos colaborativos e pedagogia. Co-fundadora do grupo teatral carioca Cia Marginal, dirigiu os espetáculos “Qual é a nossa cara?” (2007), “Ô,Lili” (2011), “In_Trânsito” (2013), “Eles não usam tênis naique” (2015) e “Hoje não saio daqui” (2019), este último apontado entre os dez melhores espetáculos de 2019 pelo Jornal O Globo.

No cinema, dirigiu “Porcos Raivosos” (10′, 2012) e “Abigail” (17′, 2016), ambos exibidos na Quinzena dos Realizadores (Cannes 2012 e 2016) e premiados em diversos festivais nacionais e internacionais. É co-autora de “Jogo de Cena visto por” (Editora 7Letras) e de “Hoje não saio daqui”.

Tatiana Nascimento – Dramaturga

Tatiana Nascimento, brasiliense, 39 anos – É doutora em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); palavreira: escritora, cantora, compositora,poeta, tradutora, blogueira, zineira, editora, pesquisadora em diáspora negra e dissidência sexual, especialmente seus exuzilhamentos, daí sua conceituação de cuírlombismo pra pensar literatura negra lgbtqi. educadora, livre- pensadora. realizadora experimental em audiovisual.

Como formadora, se dedica a compartilhar pedagogias dissidentes sobre literatura negra lgbtqi; feminismo antirracista; autoamor a corporeidades abjetificadas (com foco em corpos negros, LGBTQI, gordos, de mulheres); produção textual (de escrita criativa a letramento acadêmico). Como poeta, faz do vento a casa da palavra: é spoken word artist em performances que combinam profusão de ritmo/som y profundos silêncios à desarquitetura do sentido pela repetição e quebra de versos. Como cantora y compositora, experimenta psicodelias ancestrais negras.

Roberta ValenteIdealização e Atuação

Roberta Valente é bacharel em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio, desde 2015. Formou-se pela Escola de Teatro Martins Pena em 2007. Trabalhou na Rede Globo em “Duas caras”, na Rede Record na novela “Chamas da Vida” e mais tarde em “Mutantes”; em filmes, como : “5Xfavela : agora por nós mesmos” direção de Cacá Diegues, “Não se pode viver sem amor” direção Jorge Durán. No teatro faz “Rosas de Noel”, direção de Denise Espírito Santo; “Macário: às vezes a vida volta”. Fez a novela “Vitória” na Rede Record em 2015.

Nos anos 2016 e 2017 se dedica a dois projetos africanos: “Amesa”com direção de Zeca Ligiero e “Orfã do Rei”; dirigido por Isaac Bernard, do autor angolano Jose Mena Abrantes, levando a peça teatral para África. Em 2019 apresenta a performance teatral “Mãe”; no festival Ovárias. Em 2020, integra o elenco da peça a Vale Nigth, com direção de Renata Mizarhi no Teatro Glaucio Gil e o Longa Metragem; “Jovens Polacas”; direção de Alex Levy-hel.

Gloria DinizAtuação

Gloria Dinniz é atriz graduada e mestre em Artes Cênicas na Universidade Federal do Estado do Rio de janeiro (UNIRIO). Em teatro, seu últimos espetáculos foram A Orfã do Rei, projeto realizado na Angola (2016) a convite da Cia Elinga de teatro. Recentemente esteve em cartaz no ano de 2018 no Teatro dos 4 (RJ), Teatro Cândido Mendes e Teatro Itália (sp) com o espetáculo “Na Parede da Memória”, representando e cantando no musical embalado por músicas do saudoso Belchior.

Na televisão a atriz fez suas últimas participações nas novelas Apocalipse – RECORD (2017) e O outro lado do Paraíso – REDE GLOBO (2018). Sua últimas publicidades foram no grupo Enel e Ministério do Turismo. Em 2019 participou da estreia do Piano Bike cantando e fazendo uma intervenção teatral com poemas com no teatro Baden Powell.

Diogo Brozoski – Programador Visual

Diogo Brozoski é diretor de arte, motion designer e ilustrador com mais de 20 anos de experiência na área de criação. Percorreu diversos caminhos na área de comunicação visual, se envolvendo com propaganda, design gráfico, arte e animação. Há 10 anos também desenvolve projetos de criação artística fazendo uso de diversos meios como desenho, pintura, interferência em fotografia, escultura e vídeo arte.

Na arte contemporânea constrói narrativas poéticas, afetivas e ficcionais sobre o mundo com uso de recursos gráficos do desenho, ilustração, escultura e vídeo animação. Desenhista nato, usava a imagem como expressão mesmo antes mesmo da fala. Por 5 anos estudou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, onde desenvolveu a busca de sua identidade no coletivo. Diogo encontra-se profundamente imerso à prática e estudo da comunicação visual nas mídias de massa contemporâneas.

Paula Ströher – Cenário e Figurino

Designer por formação desde 1999, Paula Ströher chegou no Rio de Janeiro em 2000 para cursar figurino com Beth Fillipeck na Fundição Progresso. Figurinista de cinema, televisão, dança, teatro e publicidade, trabalhou nas series Décimo Andar de Caíto Mainier, Os Suburbanos e Tô de Graça do Multishow entre outros. No teatro espetáculos como: Gilda dirigida por Camilo Pelegrini, Carne e Transe(Indicada ao Prêmio Shell de melhor figurino) por Daniela Amorim e Ah, humanidade e outras boas intenções de Murilo Hauser.

Seu primeiro longa metragem foi Domingo de Clara Linhart e Fellipe Barbosa, seguido pela comédia Os Suburbanos de Luciano Sabino e Medusa de Anita Rocha da Silveira com lançamento previsto para 2021. Entre idas e vindas do amor viveu em Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro e Londres onde estudou estamparia na Central Saint Martins of Arts and Design. Atualmente além do seu trabalho de figurinista se dedica a prática do yoga e estudo do tarô.

Bem MedeirosProdução

Bem Medeiros é produtor, pesquisador e montador. É cientista social de formação, fez pós-graduação em cinema documentário (FGV/RJ) e especialização em gênero e sexualidade (IMS/UERJ). Fez a produção executiva do telefilme “Na Ilha” junto ao Canal Curta!, a direção de produção do longa-metragem “Meu nome é Daniel” que esteve na shortlist do Oscar.

É pesquisador do longa-metragem Assexybilidade (Daniel Gonçalves), em coprodução com a Globonews. Produz a websérie documental Drag-se, que foi contemplada pelo edital de produção de conteúdo para web da RioFilme. A websérie conta com mais de 6 milhões de visualizações. É produtor executivo do curta-metragem TAILOR, licenciado para o Canal Brasil, premiado no 45º Festival de Cinema de Gramado e conta com mais dez prêmios em festivais, tendo sido exibido em mais de 150 festivais nos cinco continentes. Realizou a pesquisa da série Liberdade de Gênero do GNT, dirigida por João Jardim.

 

Fique por dentro das iniciativas do Sesc RJ clicando aqui e acompanhando nossas redes (YouTubeInstagram e Facebook). #SescRJCultura #ArteemCena

Notícias relacionadas

Ver todas as notícias
clube sesc

Clube Sesc – Livros, Discos, Filmes, Cenas e Artes Visuais: escolha o seu clube cultural e participe!

Veja mais
E-book Pistas Visuais

E-book: Pistas Visuais – Comunicação Alternativa e Aumentativa

Veja mais
Orquestra Sinfônica de Mulheres do Brasil

Orquestra Sinfônica de Mulheres do Brasil se apresenta neste sábado pelo projeto Arte em Cena

Veja mais
Hidroginástica

Atividade física na pandemia e hidroginástica para idosas do Sesc RJ serão apresentados em congresso na China

Veja mais